Mais de 6 mil assistem à Encenação do Achado de Nossa Senhora Aparecida

A margem direita do Rio Mongaguá, no Centro da Cidade, recebeu mais de 6 mil espectadores durante a apresentação da Encenação do Achado da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, na noite de sábado (8).

Essa foi a décima edição do espetáculo, que pela primeira vez contou com a participação de atores profissionais e a organização do Instituto Histórico e Cultural de Mongaguá. Antes, a encenação ficava por conta dos fiéis da Igreja Matriz e da comunidade.

A história encenada começa na Corte Portuguesa, em 1717, quando Dom João V (Ronaldo Ciambroni) ordena que o Conde Assumar (Marcelo Galvão) fiscalize o ouro que estava sendo extraído no Brasil.

A segunda cena se passa já na Vila de Santo Antônio de Guaratinguetá, quando a esposa (Arlete Montenegro) do encarregado da Vila (Denis Derkian) sugere que os pescadores saiam em busca de peixes para fazer um banquete.

Apesar dos esforços, passando a rede no Rio Paraíba, os pescadores não obtêm sucesso. Eles rezam pedindo apoio e acham o corpo e a cabeça de uma imagem. Em seguida, encontram peixes e creditam o milagre à santa, que passam a chamar de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

No terceiro painel instalado na margem esquerda, a princesa Isabel (Esther Góes)  agradece à Nossa Senhora por ter engravidado e a coroa Rainha do Brasil, com manto e coroa cravejados de pedras preciosas. A encenação foi encerrada com uma procissão de barcos.

Além dos atores acima, participaram do espetáculo Valéria Di Pietro (Rainha Dona Maria), Jefferson Cardoso (mensageiro do Governador) e Isis Failes (Condessa Assumar).

Também formaram o elenco 300 pessoas da comunidade católica, alunos do Pró-jovem, Projeto Girassol, Projeto Conviver, Colônia dos Pescadores de Mongaguá, Instituto Histórico e Cultural de Mongaguá, comunidade indígena da região, Guarda Civil Municipal, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

“Fico emocionado por Mongaguá promover uma encenação como essa, com artistas e a comunidade envolvidos por um único objetivo, contar a história da nossa Padroeira”, afirmou o prefeito, Paulo Wiazowski Filho, o Paulinho.

A organizadora da encenação e presidente do Instituto Histórico e Cultural de Mongaguá promete novidades para a 11ª edição, em 2012. “Se Deus quiser, no ano que vem teremos um espetáculo ainda mais grandioso”, disse.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

VISUALIZAÇÕES

  • 25,197 Visitas